Cotidiano

Como lidar com latidos de cachorro em condomínio?

Barulho de animais podem gerar muito incômodo, saiba como tratar o tema

Publicado em 20 de Julho de 2021
Tempo de leitura:

De acordo com a Lei 4591/64 todos os condôminos têm direito a criar animais de estimação em condomínios residenciais. Mas, é necessário se atentar ao sossego, saúde e segurança de todos os vizinhos.  

O tema ainda traz bastante polêmica, principalmente relacionadas ao incômodo proveniente do barulho de latidos, e, em alguns casos, do mau cheiro.  

Para manter uma boa convivência, é necessário ficar atento para que os animais não tirem o sossego dos vizinhos. Mas, o que fazer quando os latidos de cachorro estão incomodando bastante a vizinhança?  

Converse com seus vizinhos 

O excesso de latidos pode provocar conflito entre os moradores. Há casos em que a discussão piora e até mesmo os prédios vizinhos começam a reclamar do barulho. 

A presença do animal só pode ser questionada se a saúde ou segurança dos outros moradores estiver em jogo. Caso contrário, o dono do cachorro precisa apenas seguir o regimento interno. Caso haja problemas que firam o regulamento interno, o dono do animal pode ser multado. 

Na maioria das regras, a convivência de animais no condomínio inclui a condução por guia, uso de focinheira e alguns bloqueios quanto ao uso do elevador social. Vai depender de cada gestão. 

Ainda assim, o morador alvo de reclamações deve estar atento ao comportamento do animal de estimação. Em vez de esperar a briga ficar feia, o ideal é que o dono do cachorro converse com os vizinhos para ter certeza de como o animal se comporta em sua ausência. 

Na convivência em um condomínio, o síndico precisa zelar para que os direitos sejam iguais para todos. Portanto, é essencial que o dono do cão seja compreensivo e opte pela conciliação amigável com os vizinhos. 

Quando todos respeitam os limites, a convivência se torna mais agradável e os conflitos podem ser eliminados de forma mais rápida e prática. 

Ensine seu pet a fazer as necessidades no local certo 

Esta é uma questão frequente para os donos de cães em condomínio, afinal, sabemos que eles não fazem de propósito, mas incomoda muito, além de prejudicar a saúde e higiene tanto dos condôminos quanto do dono. 

No entanto o problema pode ser facilmente corrigido através do adestramento do cachorro, tornando o ambiente mais agradável para o dono e seus vizinhos. 

É recomendado um sistema para ajudar o cão a fazer suas necessidades no lugar certo. Com o uso do incentivo, sempre que ele fizer as necessidades corretamente, a dica é recompensá-lo com uma guloseima. 

Deste modo, o animal será estimulado a sempre fazer as necessidades no lugar certo para receber a recompensa. Com o passar do tempo, independente de ganhar ou não uma guloseima, ele já estará adaptado a fazer as necessidades somente lá. 

Contate o centro de zoonoses 

Contatar o centro de zoonoses pode ser uma opção viável quando as tentativas de conversa não surtem efeito algum. A visita não garante a retirada do animal contra a vontade do morador. O máximo que pode ser feito é um encaminhamento do caso para a Administração Pública. 

A partir daí, uma nova investigação será feita avaliando a necessidade de abertura de inquérito e sequência do processo via recepção do Ministério Público. É bom lembrar que os funcionários do centro de zoonoses costumam demorar muito para chegar até o local e não têm permissão para adentrar o imóvel do vizinho sem o consentimento deste. 

Como agir em casos extremos? 

Em casos extremos, não é recomendado chamar a Polícia, mesmo que para alertar moralmente o morador irresponsável. É certo afirmar que esta alternativa deixará todo o condomínio exposto, recomendando-se assim outras alternativas. 

Se a pessoa quiser se dirigir à delegacia e abrir uma reclamação formalizada, por se tratar de uma infração de menor potencial ofensivo, esta será convidada a criar um Termo Circunstanciado, em vez do famoso Boletim de Ocorrência. 

Uma vez feito, ambos os moradores devem relatar os fatos presencialmente diante de um escrevente. Se o caso parar no Juizado Especial Criminal, será firmada uma data de audiência para solucionar o problema no âmbito penal. 

O processo é burocrático como a maioria dos processos judiciais no país. Portanto, ao optar-se por tal ação, é importante estar ciente da longa demora. 

Respeitando as normas do condomínio 

Todo condomínio deve ter normas de convivência. Se as regras impedem a presença de animal de estimação na entrada principal, o dono do cachorro não pode ir contra algo determinado por lei. 

O ideal para os moradores que possuem animais é ter atenção às normas estabelecidas, como: transitar com o pet pelos elevadores de serviços, impedir que ele circule livremente pelo prédio e/ou manter a focinheira, dependendo da raça. Prezar pelas regras do condomínio é obrigação do síndico, que pode estipular advertências e multas, sempre comunicando aos moradores por meio da organização de reuniões. 

Se a situação virar um pesadelo assumindo nível emergencial, a melhor maneira de sanar o problema é por meio do Juizado Especial Cível. Se o morador alegar dificuldades em desfrutar do sossego, na vida social, trabalho, na concentração diária, e principalmente, no repouso durante a noite, não será necessário contratar um advogado para iniciar uma ação judicial. 

Ainda assim, o bom e velho diálogo sempre é a melhor forma de resolver o caso sem gerar estresse e harmonizando as diferenças. Mais importante do que latido de cachorro é entender a causa e atuar na resolução amigável da situação. Saiba mais em Conflitos em condomínios, qual a melhor forma de geri-los?. 

 

Saiba como lidar com latidos de cachorro em condomínio

 

Comentários